A trajetória do terapêutico movimento com fios e agulha.

A matéria inicia com a imagem de um porta prato da cor preta, um vestido amarelo e por último um short listrado com cores brancas, vermelhas e amarelas feitos de crochês.

Derivado do termo Francês “croc”, que significa gancho, o crochê tem origem pré-histórica tendo início no século XVI. Não se sabe ao certo onde essa técnica foi inventada, porém, de acordo com historiadores essa arte começou a ser mais explorada em 1800, quando a francesa Riego de La Branchardiere, criou com uma linha certos padrões que poderiam ser reproduzidos por outras pessoas, ao perceber esse método, ela teve a ideia publicar um livro para que todos os interessados pudessem replicar em suas casas.

No centro de São Luís é possível encontrar diferentes métodos do crochê, seja em toalhas, panos de rosto, bonés ou até mesmo em árvores que servem como decoração na época natalina. “Comecei a fazer crochê quando tinha 15 anos, no início eu precisava de uma renda extra, agora amo tanto essa arte que uso mais como terapia”, disse a técnica de enfermagem e artesã, Patrycia Dutra.

O Crochê é um procedimento que pode ser executado utilizando qualquer tipo de fio e uma agulha adequada para exercitar a criatividade. Para a fisioterapeuta e artesã, Ana Machado, o crochê apareceu em sua vida quando tinha 12 anos de idade, aprendendo as táticas da sua avó. “Passei quatro anos vivendo do crochê como renda principal, mas hoje eu só faço para desestressar”, completou.

 

Para ir para a próxima matéria, deslize até o fim da página e clique no meio da sua tela. Em seguida clique no canto superior direito e ouça!